A Confissão

O Sacramento da Confissão é uma forma privilegiada de experimentarmos a misericórdia de Deus que nos renova e nos reorienta em seu amor. Segundo o Vaticano II, aqueles que se aproximam desse sacramento “obtém da misericórdia divina o perdão da ofensa feita a Deus e ao mesmo tempo são reconciliados com a Igreja que feriram pelo pecado.” (LG 11).

O atual Ritual da Penitência, promulgado em 11 de agosto de 1.975, apresenta três formas de rito de confissão:

  • Rito da reconciliação individual;
  • Rito da confissão de vários penitentes com confissão individual;
  • Rito da confissão de vários penitentes com confissão e absolvição geral.

Quando falamos em confissão comunitária é necessário especificar bem o termo. No tempo da Quaresma e do Advento, costuma-se promover “mutirões de confissões”, onde vários padres atendem à confissão individual numa determinada paróquia. Muitos chamam esse tipo de confissão comunitária, no entanto, tal forma de confissão poderia ser chamada de confissão de vários penitentes com confissão individual.

Já a confissão comunitária deve ser entendida como confissão e absolvição geral de vários penitentes. Neste tipo de confissão, o penitente não se confessa individualmente e recebe a absolvição. O Código de Direito Canônico, ao tratar da reconciliação, ressalta que “a confissão individual e íntegra e a absolvição constituem o único modo ordinário com o qual o fiel, consciente de pecado grave, se reconcilia com Deus e com a Igreja; e somente a impossibilidade física ou moral escusa de tal confissão; neste caso, pode haver a reconciliação também por outros modos” (cân. 960).

Podemos concluir que o meio ordinário de reconciliação com Deus e com a Igreja é a confissão individual, podendo a absolvição ser comunitária; assim, a confissão de vários penitentes com confissão e absolvição geral, é um meio extraordinário. Tratando de meio extraordinário de reconciliação, o Direito Canônico enumera as ocasiões ou as condições em que se pode conceder a absolvição geral sem prévia confissão dos penitentes. Para tal forma de confissão deve:

  • Haver iminente perigo de morte e falta de tempo hábil do padre ou dos padres ouvirem a confissão de cada um dos penitentes;
  • Haver um grande número de penitentes e impossibilidade dos padres disponíveis ouvirem a confissão de todos, dentro de um tempo conveniente (cân. 961).

Sem dúvida alguma é preciso ter claro que a absolvição geral dada sem prévia confissão individual é válida, porém, não devemos nos esquecer o que diz o Direito Cânonico:

“...para que um fiel possa lucrar validamente a absolvição dada simultaneamente a muitos, requer-se não só que esteja devidamente disposto, mas que ao mesmo tempo se proponha também a confessar individualmente, no tempo devido, os pecados graves que no momento não pode assim confessar” (cân. 962)

“... ao surgir oportunidade procure quanto antes a confissão individual antes de receber outra absolvição geral, a não ser que se interponha justa causa” (cân. 963)

Outros Artigos

Mais Artigos
Paróquia Imaculada Conceição - Diocese de Piracicaba
Rua Salvador, 662 - Cidade Nova - Santa Bárbara d’Oeste, SP - CEP 13454 355
Fone 19. 3458 4430
Fale Conosco Siga-nos no Facebook